Até então, a fala tem o e, li, ou, lou. Reparando melhor consigo ver que o lou tem dois componentes :

  1. quando representa todos os membros do que se está a interligar
  2. quando representa apenas um desses membros

Portanto, temos de discernir o lou.

O 1º componente do lou (1.) já tenho um conceito, a que chamei de e.

O 2º componente (2.) também já tenho um conceito, a que chamei de ou.

Logo, o lou representa a possibilidade de um desses dois componentes ser verdadeiro.

Assim, dentro do lou, encontramos 3 conceitos: o e, o ou e a possibilidade.

Este último conceito (a possibilidade) chamarei de l (lendo-se le em Português).

Com o l entramos no reino das possibilidades, também chamado de reino do quântum e do reino popularmente conhecido como esotérico (que eu pouco conheço, pouco ouvi falar).

Não pretendo entrar muito neste reino do quântum, deixando apenas o ponto de união, em que a fala concreta (fala que estudei nestes 3 últimos posts) e a fala quântica convergem-se.

Esse ponto é o l (lendo-se le com uma paragem no e).

Nestes 3 últimos posts; que foram lou, li li agora com o l; o estudo da fala é/tornou-se neiri (não verdadeira, não falsa).

Nota engraçada: É engraçado que, a fala de quântum e tanto é parecida. Há a possibilidade de significarem a mesma coisa :smiley:

Nota: O l é um L minúsculo, não um i maiúsculo.